Pandemia quebra tradição e Marília não terá presépio motorizado pela primeira vez em mais de 50 anos


Segundo aposentada que montava a encenação em sua casa e abria imóvel para visitação pública, não tem sentido repetir a ação com portões fechados. Aposentada Angélica Fagionato, diante do presépio montado no ano passado: “Ano que vem quero montar de novo”
Reprodução/TV TEM/Arquivo
Tradição na época natalina há mais de 50 anos em Marília (SP), o famoso presépio motorizado da família Fagionato não será montado neste ano por causa das restrições de isolamento social impostas pela pandemia de coronavírus.
Segundo a aposentada Angélica Fagionato, de 80 anos, responsável pela montagem da encenação desde que o pai morreu, o presépio não será montado em 2020 pela primeira vez em 55 anos porque para ela não tem sentido repetir a iniciativa “com os portões fechados”.
O presépio, com mais de 100 peças e que é todo motorizado, vinha sendo montado todo ano na casa da família Fagionato, no bairro Lorenzeti, que era aberta à visitação do público em geral.
Presépio motorizado de Marília tem mais de 100 peças e visitação sempre foi gratuita e aberta ao público: tradição suspensa em 2020
Reprodução/TV TEM/Arquivo
Angélica explica que a tradição começou como pagamento de promessa por uma graça alcançada há 72 anos, quando a família ainda morava na zona rural de Quintana.
Sem energia elétrica à época, a família começou montando o presépio em uma mesinha, com poucas peças. Com a mudança para Marília, há 55 anos, o pai de Angélica decidiu ampliar o projeto e criar uma estrutura mecanizada, movida por um motor de geladeira.
Presépio da família Fagionato tem estrutura mecanizada movida por um motor de geladeira
Reprodução/TV TEM/Arquivo
Dois anos antes de morrer, o homem ensinou Angélica e um sobrinho a montarem o presépio, que demora quase um mês para ficar pronto.
Apesar da frustração deste ano, a aposentada mantém a esperança de retomar a tradição no ano que vem.
“Esse ano nem tirei as caixas dos armários porque não tem como fazer um presépio com portões fechados. Fiz um pequeno aqui em casa, só para manter a promessa, mas no ano que vem, quando tudo isso acabar, quero montar [o presépio mecanizado] de novo e ver minha casa cheia de gente”, diz a aposentada.
Veja mais notícias da região no G1 Bauru e Marília
Veja mais notícias do centro-oeste paulista: