Cidades do centro-oeste paulista ampliam suspensão da vacina AstraZeneca para puérperas


Anvisa já havia recomendado a suspensão da aplicação do imunizante em gestantes com comorbidades na segunda-feira (10). Estado de São Paulo emitiu nota na noite de terça-feira (11) solicitando a interrupção também em mulheres com comorbidades que tiveram filhos nos últimos 45 dias. Após recomendação da Anvisa, cidades do centro-oeste paulista suspendem vacinação de gestantes com a AstraZeneca/Oxford nesta terça-feira (11)
Ingrid Vasconcelos/Governo de MG
As prefeituras de cidades do centro-oeste paulista suspenderam nesta quarta-feira (12) a vacinação de puérperas – mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias – com comorbidades com doses da vacina Oxford/AstraZeneca, distribuída no país pela Fiocruz.
Na terça-feira (11), as cidades já tinham suspendido a imunização de gestantes com comorbidades com doses da vacina após recomendação da Anvisa divulgada na noite de segunda-feira (10).
Diante da recomendação da Anvisa, o Ministério da Saúde anunciou que a vacinação de grávidas e de puérperas no Brasil contra a Covid-19 será restrita somente às mulheres com comorbidades (doenças pré-existentes) e elas devem receber apenas as vacinas CoronaVac e Pfizer.
A determinação vale até que sejam concluídas as análises de um caso raro de morte de uma gestante de 35 anos por causa de um acidente vascular cerebral hemorrágico (AVC) que pode ter ligação com o uso da vacina AstraZeneca. A Anvisa foi comunicada desse caso no dia 7 de maio e, com a morte da paciente no dia 10, emitiu a recomendação de suspensão da vacinação com esse imunizante.
O governo do estado de SP também divulgou uma nota na noite desta terça-feira suspendendo a vacinação nas puérperas com comorbidades, grupo eu não constava na recomendação da Anvisa.
Em Bauru, a prefeitura interrompeu a imunização das puérperas nesta quarta-feira. De acordo com a administração municipal a decisão segue a recomendação da Anvisa, do Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde e do estado, que emitiram nota técnica solicitando a suspensão da aplicação da vacina da AstraZeneca.
Ainda segundo a prefeitura, nenhuma gestante da cidade recebeu a dose do imunizante. A aplicação da vacina da Covid-19 nesse público será retomada assim que o Ministério da Saúde enviar doses específicas a gestantes e puérperas da vacina Coronavac ou da vacina da Pfizer/BionTech, ou ainda se ocorrer a liberação para uso da vacina Oxford/ AstraZeneca a este público.
Em Marília, a vacinação também está suspensa para os dois grupos, porém, a prefeitura informou que irá vacinar as gestantes com comorbidades com as doses remanescentes, aquelas que sobram no fim do dia de vacinação e precisam ser utilizadas, da CoronaVac.
Segundo a prefeitura, há algumas doses da vacina sendo aplicadas ainda e sempre que houver a sobra as gestantes serão informadas para receber o imunizante. A ação também depende da chegada de novas doses desse imunizante ou da vacina da Pfizer/BionTech.
A vacinação das puérperas também foi interrompida em Botucatu nesta manhã. Segundo a prefeitura, a imunização será retomada com a chegada de novas doses de outros imunizantes permitidos para esse público.
Seguindo as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria estadual de Saúde, as prefeituras de Ourinhos, Santa Cruz do Rio Pardo e Jaú também suspenderam a vacinação nesses dois grupos.
VÍDEOS: assista às reportagens da região
Veja mais notícias da região no G1 Bauru e Marília